Sobre a terra natal

Comece a ler esse post ouvindo esta música: Family Tree, Belle e Sebastian

I’ve been feeling down

I’ve looking around the town

For somebody just like me

But the only ones I see

Are the dummies in the window, they spend their money on clothes,

It saddens me to think

That the only ones I see are manequins

Looking stupid, being used and being thin

And I don’t know why I hang around with them

Como você sabe que não pertence à algum lugar? Algumas coisas a gente tem que sentir. Eu passei muito tempo querendo sair daqui. Desde criança, quando eu escrevia/lia histórias de fantasia, as minhas favoritas eram aquelas em que o personagem principal escapava para um mundo novo, totalmente diferente, mas, principalmente, um outro mundo num qual ele era aceito e tinha até companheiros semelhantes.

Eu não me encaixava muito bem. Talvez isso seja racionalmente devido a eu ter mudado pra escola particular no finzinho da infância, mas independente das análises psicológicas, cá estou eu, incapaz mesmo de convencer ex colegas de colégio a tomar uma comigo quando estou prestes a viajar para a Inglaterra. E como a gente cresce – graças! – não foi importante, na verdade, porque de qualquer maneira estou completando o que eu chamaria de um ritual de encerramento.

Essa primeira estrofe me encheu de identificação, logo na primeira vez em que ouvi. Palmeiras sempre foi uma espécie de entreposto, meu armário embaixo da escada. A metáfora termina quando cortam o meu cabelo errado e eu não consigo crescer ele da noite pro dia.

De qualquer forma, com ou sem armário embaixo da escada, em exatos sete dias eu já estarei (com sorte) no meu novo quarto da Inglaterra, ou melhor dizendo, talvez até num bar, conhecendo pessoas loucamente!

Ao mesmo tempo, nesses momentos fica muito mais evidente o que está ficando pra trás. Já faz três anos que eu não moro mais com os meus pais, mas ainda até hoje sempre foi pra cá que eu corri quando alguma coisa grave acontecia, quando eu precisava recarregar as baterias, quando eu não conseguia mais suportar a solidão. Quando eu precisava que alguém soubesse que eu estava mal sem eu ter que falar, ou mesmo pra coisas banais… Ter um motivo pra acordar antes de uma da tarde – pra almoçar com os meus pais, no horário de almoço do trabalho deles. Pra ver o Lucky ficar doidão quando eu gritava do portão, pra buscar pão com meu pai imediatamente depois de chegar em Palmeiras e comer pão com manteiga falando desesperadamente até minha mãe gritar e me mandar calar a boca, falando que eu tava fedendo e que não ia dormir sem tomar banho antes.

De tudo que eu faço quando venho pra Palmeiras, o meu momento favorito sempre foi a chegada, afinal é o único lugar onde eu sou “recebida”, ou mesmo, onde eu sou esperada de qualquer forma. Já fiquei, no máximo, dois meses sem vir pra cá… E agora, de uma só porrada, vão-se dez meses, do outro lado do mundo, falando outro idioma com gente que nunca me viu nem nunca pensou que fosse me conhecer.

Eu sinto muito medo. Tá misturado com a emoção de pensar que vou pro coração da Europa, que referências de livros de história e literatura de repente vão se tornar concretos, e, principalmente, com a dificuldade enorme que foi conseguir realmente concretizar essa viagem. Afinal, Santa Cruz das Palmeiras não é o único lugar que estou deixando pra trás. Belo Horizonte me acolheu como poucos lugares.

Teve um momento em que parecia que eu não ia conseguir verba da assistência pra viajar, e sem ela estaria tudo cancelado. Eu me lembro do apoio da Gil, da Fabiana, da Renata. Lembro do meu medo louco de contar pro Cléber que eu não ia mais pra não ver a cara de decepção dele. E da correria, e da papelada, das infinitas reuniões com o Lucas, a Adriana e o Daniel pra todos os quatrocentos mil problemas que a coisa toda deu. Da festa de despedida do Quito, agora matando a gente de saudade lá dá Alemanha, da despedida do Douglas e do Igor, ambos agora lá em Portugal, e de todo o pessoal que também viajou e já está lá. Parece que eu já corri tanto, e mais do que isso, parece inacreditável que os meus planos estejam de fato se concretizando.

Aqui a trilha sonora já tem que mudar:

É gente demais pra sentir saudade, então a gente engole em seco e segue o caminho. Tchau Palmeiras, e até ano que vem.

(foda-se de ficou um texto melado, tô no meu direito! Fuck yeah!)

Anúncios

3 opiniões sobre “Sobre a terra natal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s