I’m only happy when it rains

Quem lê blog, ultimamente, está sempre atrás dos problemas, dos questionamentos, dos sofrimentos e, principalmente, das injustiças. Eu mesma leio uma quantidade de posts sobre desigualdade de raça, gênero, idade, classe social… Compartilho, discuto e tudo o mais. Num momento como esse, é realmente bom lembrar que eu nunca escrevi esse blog muito pra outra pessoa além de mim mesma, e se é pra falar sozinha, eu não preciso ter medo de público, né?

Vou mandar a real aqui agora: minha vida está bem boa nesse momento.

O ano passado foi bastante ruim, uma dureza. Teve época em que eu trabalhava de oito às dezoito, pegava trânsito pra ir e voltar e depois ainda ia: estudar para a seleção do mestrado / traduzir / ir para a academia / assistir matéria de ouvinte na faculdade, dependendo da época do ano. Vivi num namoro à distância, todo mundo teve mil problemas, eu tive crises nervosas e de stress, me senti inadequada como nunca antes, a família deu trabalho, enfim. Mas eis que 2014 tem sido um ano mágico!

Esse final de semana, o pai do meu namorado me perguntou se eu ia fazer um concurso junto com o namorado em questão, pra um cargo qualquer em Brasília que paga 25 mil por mês (não me peçam o edital porque não vou dar; não quero ninguém concorrendo com ele!). Eu respondi que não, e pra surpresa dele, acrescentei que estava muito feliz com a minha vida atual.

Eu não estou ganhando 25 mil reais por mês. Estou fazendo melhor que isso. Estou ganhando dinheiro suficiente pra viver e pra guardar pro futuro, trabalhando de casa com o que eu gosto. Eu reviso português ou inglês ou traduzo de pijamas, com uma playlist que eu carrego da internet que eu uso como quero, com gato(s) no colo, e posso parar para cochilar/lanchar/youtube e afins quando quiser. Pra mim, isso francamente vale muito mais do que o salário do concurso.

Além do mais, amanhã é minha primeira aula do mestrado. Estava aqui lendo os textos em preparação para o primeiro dia, com a cabeça explodindo com todas as coisas legais que estava lendo, e eu só conseguia pensar: gente, que situação mais legal a minha. Eu posso ler um texto de noite, sem medo de dormir demais, tomando um vinho mais ou menos barato. Eu posso (e fiz) voltar a estudar italiano. Posso fazer uma atividade física que signifique coisas pra mim, me ajude a conhecer gente diferente e nova, o kung fu, posso só ficar feliz. Posso pensar na história que escrevi quando era adolescente e em como eu poderia reescrevê-la e mandar pra uma editora. De repente, eu posso.

Tenho sido muito menos sociável por causa disso: longas horas no quarto, lendo ou trabalhando ou vendo séries idiotas, e menos tempo na sala com meus amigos. Sempre volto primeiro dos butecos porque adoro aquelas duas horas em que volto pra casa com o Mário e ele fala sobre Linguística, e eu falo de Literatura e de Linguística também, e a gente fica bêbado falando de coisas que eu não ouso falar na mesa de bar por medo de acharem idiota ou irreal.

Mas sabe? É arrogante falar: “acho que todo mundo devia fazer como eu”, mas nesse caso específico, acho que deviam, sim. Encontrar o estilo de vida que você quer de verdade. E se fuder e se machucar e machucar os outros também, se for necessário. Com as devidas explicações, eles entenderão a loucura que você viveu. Mas se um emprego de escritório e essas coisas que vêm com ele não são o seu esquema, se você pira em textos sobre indústria cultural e afins, tem mais é que dar a cara a tapa.

Anúncios

Uma opinião sobre “I’m only happy when it rains

  1. São poucos os blogs que me prendem com uma quantidade imensa de texto logo de cara, mas o seu foi um exceção. Tô lendo seus textos um a um pode? rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s