Balanço das férias

Bem, hoje teremos um post morno. Mas antes, vejam só que interessante. Até hoje, tive três post mais populares:

3o. Lugar: o post sobre editar contatos no msn: impressionante como pouca gente sabia disso!E pelo visto, é bem eficaz mesmo o método, já que até houve possíveis babacas assinando a caixa de comentários.

2o. Lugar: o da Lady GaGa, logo abaixo: minha opinião bem positiva dela trouxe gente bem interessante pra discordar. Essa discussão de pop deve ser levada adiante em outra ocasião, porque deu pra ver que pode render muito.

1o. Lugar: o post sobre ex namorados! Hahah. Não esperava muita coisa dele, mas bastante gente se identificou. Foi outra boa surpresa, quando as pessoas no msn vinham me contar que leram, porque fez eu me sentir menos freak.

Esse efeito veio do blog todo, inclusive, o que acabo considerando o melhor – e único – projeto nascido nas férias e que já teve algum desenvolvimento nas férias. Valeu a todos os meus leitores inesperados. =]

Mas bem, o assunto central não é exatamente esse. As pessoas geralmente fazem retrospectivas no fim do ano, o que é meio viagem, porque em janeiro quase nada se começa e menos coisas ainda se continuam. Então, antes do verdadeiro começo, ou seja, em março, resolvi pensar um pouco no que eu queria ter feito nas férias e o que no fim virou.

Ler: Não li nem a metade do que me propus, claro. Li os três últimos livros de Artemis Fowl, e a proposta de ler tudo de Jane Austen foi pelo ralo, só consegui Emma mesmo. Todos os outros eram, confessadamente, CHATOS. Li uns contos do Murilo Rubião, empréstimo da Aline, mas poucos. Ainda persevero lendo “O Processo”, do Kafka, mas não vou terminar antes do fim das férias. :/ Eu também tinha pegado um Charles Dickens, no qual nem encostei. Tem outros empréstimos, que ainda devo mexer.

Escrever: Aqui eu tive modestas propostas. Queria terminar minha fanfic de Harry Potter, continuar com meu diário. O que eu fiz? Criei o blog.

Videogame: Joguei muito Guitar Hero na Aline e graças ao Gustavo Frade, Ninteeeeeendo! Zerei Mario World. Eu sou demais. XD

Fotografia: Influência da Lívia. Agora que estou finalmente prestes a acabar de pagar minha linda câmera digital, uma Canon, minha conta no Flickr está meio abandonada. Mas semana passada eu voltei a mexer e fiz uma ou duas coisas legalzinhas. Conta no flickr

Jogos: The Sims. Criei a família, duas irmãs e seus pretendentes. Uma delas, minha favorita, teve cinco filhos, tá idosa na casa dela com o marido que a trai com a irmã gêmea. Um filho é gay e tá noivo, o resto é tudo mulher e só a primogênita tá noiva. Os quatro mais velhos na faculdade, o bebê ainda com os pais. O pai virou cientista maluco e vai ficar com a aspiração cheia pra sempre! hahahah.  Mandei uns poker no computador também. =]

Assistir: Como vocês sabem, vi a primeira temporada de Lost. Vi uns episódios de Gossip Girl no SBT e depois baixei a segunda temporada e já vi tudo. Vi poucos filmes, estava sem paciência. Vi uns no começo das férias, tipo o mais novo do Almodóvar, mas pouca coisa. Revi Stranger than Fiction esses dias. E Solitários! E não é que o emo ganhou? Tudo bem, mas o meu amor platônico, Cadu Pelegrini, ficou em segundo e ficou mais famoso! Hhahaha.

Viagem: Fui pra Piracicaba em janeiro, como postado aqui, fiquei em Palmeiras no ócio, fui pra BH (show do Cranbeeeeeeerries! *.*) e lá tive várias aventuras incríveis com uma galerinha da pesada. Conheci uma sex shop, fiquei absurdada, comi comida vegetariana, entre coisas normais, como tomar summer com cheetos requeijão na moradia. Atóron. Perto do Carnaval, Mucambeiro, o distrito de Matozinhos (aaaah, agora acertei), terra natal do Quito. Lá não teve muitas emoções, mas teve uma overdose de Skol e eu, erm, encostei numa criança, apesar de não gostar de crianças. Whatever, né. Voltei de AVION, dear. Em cinquenta minutos eu estava em Campinas, depois de comer feliz. Adoro andar de avião, sério mesmo.

Nada: Isso ocupou noventa por cento da coisa toda. Deitada na cama, depois deitada no sofá… Jogando videogame, depois conferindo as coisas na internet… Fiz tanto de nada, mas tanto, que ontem me peguei planejando mentalmente minha primeira aula.

Eu diria que estou pronta, finalmente. Claro que os traumas do semestre passado permanecem. Mas sabe? Eles não vão embora mesmo e eu já me conformei. Quem vai embora sou eu! E pra Inglaterra, setembro me aguarda! Mas só depois de uma luta homérica pra juntar dinheiro!

xoxo. XD

Anúncios

Adão e Eva

Estou em Piracicaba, vim visitar uma amiga minha que faz USP aqui. Das outras vezes em que vim percebi que, como toda cidade de interior – ou quase toda, sei lá – Piracicaba tem muita gente preconceituosa. Falo especificamente de homofobia. Sempre que eu topo com um homofóbico, costumo meio que perder as estribeiras, porque adoro gays. E sabe, mesmo que não acreditasse, acredito que a gente tem que deixar as pessoas em paz. Nesse momento, sempre ouço a seguinte frase: ah, eu não tenho nada contra gays…

Essas reticências escondem, quase invariavelmente, um “mas eu não quero nenhum deles perto de mim”. Por isso, sempre que ouço a parte que é pronunciada dessa confissão, fico meio puta. Ontem, na mesa do bar, me perguntaram se eu já beijei mulher, e eu disse que sim, claro. Alguns exclamaram “como assim, claro?”, e depois se disse que se você já pegou alguém do mesmo sexo alguma vez na sua vida, logo você é gay. Achei isso o maior absurdo do século vinte e um – é uma total incompreensão do que é preferência sexual. Sinceramente, pra mim isso é tão simples… gosta do diferente, é hetero. Gosta do igual, é gay. Gosta dos dois, é bi. Mas ai. Quando eu disse que não tinha a menor importância o que você já fez sexualmente, no momento você tem uma preferência ou outra ou outra… Nossa! Pareceu heresia. Aí alguém mencionou alguma coisa nas linhas de “ah, mas Deus fez Adão e Eva…” E eu virei prontamente pra dizer: imagina só, ainda tem gente que acha que Adão e Eva existiram! Não tive chance de mencionar o teor metafórico da Bíblia, os leitores (leitores?) literais do tal livro me execraram. Antes que a minha melhor amiga mudasse de assunto – provavelmente pro meu bem – ainda ri alto, dizendo que nós não somos planárias: você não arranca um pedaço do corpo pra nascer outra pessoa em volta da costela! Ai…

Eu fico muito preocupada quando encontro essas mentalidades. De verdade. Gays são julgados, sim. Ainda são considerados más influências, dar o cu é uma perda de honra absurda. Isso não me entra na cabeça. Rolar no próprio vômito não é… Como assim? É chocante como as pessoas não estão preparadas para a idéia simples de que existe gente diferente delas próprias. Como eu vivo no ambiente da Letras, onde tem viado em todo lugar, onde eles vivem livremente e não são discriminados, ou pelo menos quase nunca, e onde discriminação sexual é o fim da picada, eu acabo achando que é assim em todo lugar. Não é. Discriminação está, na realidade, na maioria dos lugares. E gente que nem eu, que paga de, sei lá, atéia modernete, acaba sofrendo discriminação também, por tabela. Que nem cristãos que protegiam judeus durante o Holocausto.

Eu queria simplesmente que as pessoas se deixassem em paz.